Pular para o conteúdo principal

Deportação ou expulsão de Battisti

"A ação ministerial não vai prosperar. Não dá para contrariar a lógica jurídica."  Wálter Fanganiello Maierovitch.

Post inspirado no artigo de Wálter Maierovitch publicado aqui.

Pode um "crime" estar dentre o rol dos Direitos? Noutros termos e mais matemáticos e lógicos, pode no conjunto dos direitos ser incluído o crime? É evidente que não, pois o crime é o anti-direito, isto é, ato antijuridico etc.

Ora, mas como a Constituição Federal coloca um delito no rol dos Direitos Fundamentais? Na espécie, o crime político. Pela lógica o "crime" político - o delito motivado por razões políticas - seria, portanto, um direito e, ainda, fundamental. Assim sendo, seria um direito fundamental do cidadão cometer um crime político - ato criminoso motivado por razões políticas. Parece correta esta leitura? É evidente que não, afinal um delito não é um direito.

E mais ainda, se o Estado é Democrático e de Direito como pode sua Constituição aceitar e proteger (afinal veda a extradição) um agente que utiliza da violência e do crime (atos obviamente contrários ao Direito) para fazer política, sendo que esta é realizada na democracia não pela violência mas pelo debate e alianças etc?

Dizer que o crime político é um delito próprio - tal como assassinato, sequestro etc. - mas com razões política é defender posição triplamente contraditória: i) a Constituição apregoa que política é via Democrática, logo, rejeita o uso da violência para tais fins; ii) o Estado é de Direito, portanto, não pode vedar a extradição para aquele que atua contra o direito e iii) não há como, logicamente, um delito ser inserido no rol dos Direitos Fundamentais, exceto se este "delito" tem outro significado. Entretanto, não há espaço aqui para discorrer sobre esse novo significado.

Como pode-se observar, o STF ao agasalhar um criminoso que diz fazer política com seus delitos afronta tanto a Constituição quanto a lógica jurídica.

Postagens mais visitadas deste blog

Moral, Ética e Direito em Kant

O presente artigo tem por escopo, a partir, principalmente, da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant, discorrer sobre o modelo de relação kantiana da moral, ética e direito. A partir dos elementos da ética kantiana, notadamente, o seu caráter a priori, formal e universal, traçaremos uma reflexão sobre sua relação com o Direito. E por fim, compreender a legitimidade do exercício coercitivo do direito, como um elemento de justiça e delimitação dos arbítrios, pressuposto de uma convivência social e racional.
Aparentemente trata-se de uma tarefa fácil. Intuitivamente é possível perceber que há uma relação entre tais institutos. Contudo, o modelo e a lógica interna de qualquer grande filósofo devem ser precedidos de um olhar categorizado. Cada obra, cada autor deve ser entendido em seu mundo e em seu tempo. Os sistemas – aqui empregado no sentido de modelo ou padrão – de cada pensador têm que ser apreendido a partir dos seus conceitos próprios e mantendo-se a relação entre tais d…

Direito Administrativo: remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição

A remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição. Esse é o entendimento da Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso ao ratificar sentença sob reexame (nº 137.861/2008). No entendimento dos magistrados de Segundo Grau, a remoção desmotivada de servidor público concretizada por simples ofício a ele dirigido, sem qualquer motivação, caracteriza ato ilegal e abusivo da Administração Pública, reparável por mandado de segurança.

Consta do ato administrativo subscrito pela secretária municipal de Educação, o indeferimento do pedido de designação do impetrante para exercer as funções de coordenador pedagógico junto à Escola Municipal Sagrado Coração de Jesus. O relator, desembargador Sebastião de Moraes Filho, explicou que o mesmo ato fez menção à imediata apresentação do impetrante em outra escola (Municipal Nazaré), para a qual foi designado verbalmente sob pena de sofrer sanções. “Como não há garantia estatutária, nem constitucional, de inamovibilidade para…

Erro e erro substancial. Definição.

Acerca do erro e do erro substancial ensina o Mestre Silvio Rodrigues: "Erro é a idéia falsa da realidade, capaz de conduzir o declarante a manifestar sua vontade de maneira diversa da que manifestaria se porventura melhor a conhecesse (...) Diz a lei serem anuláveis os atos jurídicos quando as declarações da vontade emanarem de erro substancial. Conforme define a doutrina, erro substancial é aquele de tal importância que, se fosse conhecida a verdade, o consentimento não se externaria". (Direito Civil – Parte Geral, vol I. São Paulo: Saraiva, 2003, fls. 187/188).