Pular para o conteúdo principal

Fraude milionária em licitação - Compra de combustível por "notória especialização"

O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça de Alto Taquari, propôs ação civil pública contra um proprietário de posto de combustível do município, por participar de irregularidades em procedimento licitatório da ordem de R$ 1.129.967,00, realizado pela Prefeitura Municipal. A contratação do referido estabelecimento comercial ocorreu sem a participação de outras empresas, sob a alegação de que teria notória especialização e que seria o único revendedor de combustíveis no município. A ação foi proposta ontem (30.06).


O autor da ação, o promotor de Justiça Marcelo Lucindo Araújo, destacou a incompatibilidade entre os valores gastos em combustível pela administração municipal. “Na época, Alto Taquari contava com cinco mil habitantes. Como um município dessa proporção pode gastar 1.027 litros de combustível em um único dia? Com tal quantidade, apenas os veículos movidos a gasolina seriam responsáveis por trafegar aproximadamente 10.270 km em um dia. Caso se tratasse de um único carro, ele acumularia uma quilometragem de 3.748.550 mil km em um ano, parâmetro absolutamente fora da realidade”, afirmou.

Segundo ele, com a propositura da ação, o MPE pôs fim a uma investigação que já durava oito anos no município. “Apesar de ser questão de elevada complexidade, por envolver a análise de extensa documentação contábil, só foi possível concluir pela responsabilidade dos beneficiários graças ao bom trabalho desenvolvido pelos promotores que conduziram a investigação desde seu início, possibilitando, assim, a responsabilização dos envolvidos, ainda que já passados oito anos desde os fatos, disse o promotor, que assumiu o caso no segundo semestre de 2009.

De acordo com o promotor existe no Ministério Público um outro inquérito instaurado sobre o assunto, que apura a participação de servidores públicos na fraude licitatória. “Além de inexigir a licitação de forma indevida, a comissão de licitação ainda sinalizou de forma favorável a contratação de valor incompatível com a realidade, à época, do consumo da frota municipal. Por ser um assunto complexo, a Promotoria de Justiça optou pelo desmembramento da investigação. A medida visou, ainda, garantir agilidade na apuração para que os responsáveis sejam devidamente punidos”, informou.

Ao final da ação, o Ministério Público requer a aplicação de multa, suspensão de direitos políticos e a devolução do valor recebido irregularmente pelos fornecedores.

Fonte: Ministério Público do Mato Grosso

Postagens mais visitadas deste blog

Moral, Ética e Direito em Kant

O presente artigo tem por escopo, a partir, principalmente, da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant, discorrer sobre o modelo de relação kantiana da moral, ética e direito. A partir dos elementos da ética kantiana, notadamente, o seu caráter a priori, formal e universal, traçaremos uma reflexão sobre sua relação com o Direito. E por fim, compreender a legitimidade do exercício coercitivo do direito, como um elemento de justiça e delimitação dos arbítrios, pressuposto de uma convivência social e racional.
Aparentemente trata-se de uma tarefa fácil. Intuitivamente é possível perceber que há uma relação entre tais institutos. Contudo, o modelo e a lógica interna de qualquer grande filósofo devem ser precedidos de um olhar categorizado. Cada obra, cada autor deve ser entendido em seu mundo e em seu tempo. Os sistemas – aqui empregado no sentido de modelo ou padrão – de cada pensador têm que ser apreendido a partir dos seus conceitos próprios e mantendo-se a relação entre tais d…

Microempresa: dispensa da apresentação de balanço patrimonial

TJMG. Mandado de Segurança. Licitação. Modalidade. Pregão. Eletrônico. Microempresa. Apresentação de Balanço Patrimonial. Dispensa. Embora o Edital do Pregão tenha estendido às microempresas a obrigação de apresentação do balanço patrimonial do último exercício social para a habilitação, tal exigência não possui sustentação legal por ser dispensada pelo artigo 1179, §2º do Código Civil. 

Direito Administrativo: remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição

A remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição. Esse é o entendimento da Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso ao ratificar sentença sob reexame (nº 137.861/2008). No entendimento dos magistrados de Segundo Grau, a remoção desmotivada de servidor público concretizada por simples ofício a ele dirigido, sem qualquer motivação, caracteriza ato ilegal e abusivo da Administração Pública, reparável por mandado de segurança.

Consta do ato administrativo subscrito pela secretária municipal de Educação, o indeferimento do pedido de designação do impetrante para exercer as funções de coordenador pedagógico junto à Escola Municipal Sagrado Coração de Jesus. O relator, desembargador Sebastião de Moraes Filho, explicou que o mesmo ato fez menção à imediata apresentação do impetrante em outra escola (Municipal Nazaré), para a qual foi designado verbalmente sob pena de sofrer sanções. “Como não há garantia estatutária, nem constitucional, de inamovibilidade para…