Pular para o conteúdo principal

Proteção Jurídica de Dados: contratos para gestores de TI


Proteção Jurídica de Dados: quem precisa dela?



É crescente o interesse e a preocupação das empresas em proteger seus bancos de dados e demais informações estratégicas. Atualmente, a gestão de qualquer empreendimento requer acesso, tratamento e armazenamento de dados, que podem ir de um simples cadastro de cliente até mesmo o controle e cruzamentos de operações comerciais, de logística, financeiras, de caixa, fiscais, dentre outros. Diante desse cenário, houve um significativo investimento em tecnologia e programação para garantir maior segurança no tráfego e armazenamento da informação.


Não se estrutura a política empresarial de segurança de dados apenas pelo uso de senhas, log, firewall ou limitações de acesso. Paralelamente à área tecnológica, deve-se agregar soluções jurídicas preventivas para formar um sistema eficiente de proteção às informações.


Para melhor compreensão da importância de se aliar tecnologia a instrumentos jurídicos, vale citar episódio que envolveu uma empresa de recuperação de créditos e seu responsável pela manutenção de redes. O empreendimento de cobrança contava com uma arquitetura de rede que possuía um sistema automático de cópias de segurança (backup) e durante a madrugada, um servidor secundário fazia o acesso, mediante senha, no provedor principal e copiava todos os arquivos. Dessa forma, caso houvesse uma pane no computador matriz, bastaria migrar todos os dados do backup para se restabelecer a situação anterior ao defeito. Não haveria, portanto, prejuízo ou a perda de informações.


O funcionário que garantia o funcionamento do sistema pediu desligamento e ficou incomunicável. O novo contratado, perito em redes, quebrou a senha do administrador anterior, entretanto, esqueceu-se de alterar a senha do backup. O computador que fazia as cópias tentava acessar o servidor principal, mas, sem sucesso, afinal a senha que utilizava fora alterada.


Eis que o banco de dados principal sofre uma avaria. A única solução é restaurar as informações do provedor de backup. Durante cinco dias nenhuma cópia de segurança foi realizada, justamente porque a senha do servidor de apoio não era idêntica à introduzida pelo novo administrador. Todas as gravações telefônicas, envio de boletos, renegociações de dívidas, dentre outras informações, portanto, foram simplesmente perdidos.


O case narrado demonstra a vulnerabilidade de uma política de segurança de dados baseada unicamente em tecnologia que não é estruturada por instrumentos jurídicos preventivos. O dano poderia ser evitado mediante contratos desenvolvidos especificamente entre a empresa e os dois administradores de rede.


Diante dos imprevistos na segurança dos dados e informações, a única certeza que se pode ter é de que todo empreendedor deve preocupar-se com a proteção contratual dos dados de sua empresa.

Postagens mais visitadas deste blog

Moral, Ética e Direito em Kant

O presente artigo tem por escopo, a partir, principalmente, da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant, discorrer sobre o modelo de relação kantiana da moral, ética e direito. A partir dos elementos da ética kantiana, notadamente, o seu caráter a priori, formal e universal, traçaremos uma reflexão sobre sua relação com o Direito. E por fim, compreender a legitimidade do exercício coercitivo do direito, como um elemento de justiça e delimitação dos arbítrios, pressuposto de uma convivência social e racional.
Aparentemente trata-se de uma tarefa fácil. Intuitivamente é possível perceber que há uma relação entre tais institutos. Contudo, o modelo e a lógica interna de qualquer grande filósofo devem ser precedidos de um olhar categorizado. Cada obra, cada autor deve ser entendido em seu mundo e em seu tempo. Os sistemas – aqui empregado no sentido de modelo ou padrão – de cada pensador têm que ser apreendido a partir dos seus conceitos próprios e mantendo-se a relação entre tais d…

Direito Administrativo: remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição

A remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição. Esse é o entendimento da Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso ao ratificar sentença sob reexame (nº 137.861/2008). No entendimento dos magistrados de Segundo Grau, a remoção desmotivada de servidor público concretizada por simples ofício a ele dirigido, sem qualquer motivação, caracteriza ato ilegal e abusivo da Administração Pública, reparável por mandado de segurança.

Consta do ato administrativo subscrito pela secretária municipal de Educação, o indeferimento do pedido de designação do impetrante para exercer as funções de coordenador pedagógico junto à Escola Municipal Sagrado Coração de Jesus. O relator, desembargador Sebastião de Moraes Filho, explicou que o mesmo ato fez menção à imediata apresentação do impetrante em outra escola (Municipal Nazaré), para a qual foi designado verbalmente sob pena de sofrer sanções. “Como não há garantia estatutária, nem constitucional, de inamovibilidade para…

Erro e erro substancial. Definição.

Acerca do erro e do erro substancial ensina o Mestre Silvio Rodrigues: "Erro é a idéia falsa da realidade, capaz de conduzir o declarante a manifestar sua vontade de maneira diversa da que manifestaria se porventura melhor a conhecesse (...) Diz a lei serem anuláveis os atos jurídicos quando as declarações da vontade emanarem de erro substancial. Conforme define a doutrina, erro substancial é aquele de tal importância que, se fosse conhecida a verdade, o consentimento não se externaria". (Direito Civil – Parte Geral, vol I. São Paulo: Saraiva, 2003, fls. 187/188).