Pular para o conteúdo principal

Liminar garante gratuidade na emissão de diploma em universidade pública

Decisão acolhe ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal na Bahia no ano passado.

Desde o final do mês de agosto, a Universidade Federal da Bahia (Ufba) está proibida de cobrar qualquer taxa para os serviços de expedição de diplomas, certificados, transferências, emissão de históricos escolares, avaliação curricular, trancamento parcial ou total de disciplinas ou qualquer outro serviço prestado ao aluno. A gratuidade deve ser aplicada a todos os estudantes, independentemente da condição financeira, conforme dispõe a Constituição Federal.

Trata-se de uma liminar (decisão provisória e urgente) da 6ª Vara da Justiça Federal que atendeu ação civil pública, proposta no ano passado, pelo ofício de Cidadania do Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA), por meio do procurador regional dos Direitos do Cidadão Sidney Madruga e do procurador da República Cláudio Gusmão.

Na liminar, a Justiça manteve a cobrança de taxas exigidas pela Ufba no registro e revalidação de diploma por entender que tais serviços não são destinados aos alunos da universidade, não guardando, assim, qualquer relação com a atividade de ensino.

De acordo com a decisão, os serviços acadêmicos, muito embora não constituam o ensino em sua forma estrita, estão abrangidos por esta atividade, uma vez que servem de amparo, suporte e, muitas vezes, condição para a concretização do ensino. A Ufba não recorreu da liminar.

Além da medida judicial, desde o dia 22 de agosto está em vigor a Súmula Vinculante de nº 12 do Supremo Tribunal Federal (STF), que considera inconstitucional a cobrança da taxa de matrícula nas universidades públicas por violação ao disposto no artigo 206, inciso IV, da Constituição Federal.

Nº da ação para consulta processual: 2007.33.00.018279-0.

Fonte: Ministério Público Federal

Postagens mais visitadas deste blog

Moral, Ética e Direito em Kant

O presente artigo tem por escopo, a partir, principalmente, da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant, discorrer sobre o modelo de relação kantiana da moral, ética e direito. A partir dos elementos da ética kantiana, notadamente, o seu caráter a priori, formal e universal, traçaremos uma reflexão sobre sua relação com o Direito. E por fim, compreender a legitimidade do exercício coercitivo do direito, como um elemento de justiça e delimitação dos arbítrios, pressuposto de uma convivência social e racional.
Aparentemente trata-se de uma tarefa fácil. Intuitivamente é possível perceber que há uma relação entre tais institutos. Contudo, o modelo e a lógica interna de qualquer grande filósofo devem ser precedidos de um olhar categorizado. Cada obra, cada autor deve ser entendido em seu mundo e em seu tempo. Os sistemas – aqui empregado no sentido de modelo ou padrão – de cada pensador têm que ser apreendido a partir dos seus conceitos próprios e mantendo-se a relação entre tais d…

Microempresa: dispensa da apresentação de balanço patrimonial

TJMG. Mandado de Segurança. Licitação. Modalidade. Pregão. Eletrônico. Microempresa. Apresentação de Balanço Patrimonial. Dispensa. Embora o Edital do Pregão tenha estendido às microempresas a obrigação de apresentação do balanço patrimonial do último exercício social para a habilitação, tal exigência não possui sustentação legal por ser dispensada pelo artigo 1179, §2º do Código Civil. 

Direito Administrativo: remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição

A remoção de servidor público não pode ser aplicada como punição. Esse é o entendimento da Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso ao ratificar sentença sob reexame (nº 137.861/2008). No entendimento dos magistrados de Segundo Grau, a remoção desmotivada de servidor público concretizada por simples ofício a ele dirigido, sem qualquer motivação, caracteriza ato ilegal e abusivo da Administração Pública, reparável por mandado de segurança.

Consta do ato administrativo subscrito pela secretária municipal de Educação, o indeferimento do pedido de designação do impetrante para exercer as funções de coordenador pedagógico junto à Escola Municipal Sagrado Coração de Jesus. O relator, desembargador Sebastião de Moraes Filho, explicou que o mesmo ato fez menção à imediata apresentação do impetrante em outra escola (Municipal Nazaré), para a qual foi designado verbalmente sob pena de sofrer sanções. “Como não há garantia estatutária, nem constitucional, de inamovibilidade para…